All for Joomla All for Webmasters

Alunos de escolas públicas participam de oficina de xilogravura

Vinte e cinco crianças e adolescentes de escolas públicas de Taperoá, no Cariri paraibano, participaram neste sábado (13), da primeira oficina de xilogravura do projeto Ateliê de Rua, criado pelo estudante de História Arnilson Montenegro Junior e pelo artista plástico Josafá de Orós. As oficinas são gratuitas e os trabalhos serão expostos durante um evento previsto para o próximo mês.

“Fiquei sabendo da oficina na minha escola e fiquei curioso para saber como era. É uma forma de cultura diferente que eu não conhecia e estou gostando muito”, disse Joelson Siqueira,12 anos, aluno da 7? série. A oficina aconteceu no Salão Paroquial de Taperoá. A xilogravura é uma técnica de gravura na qual se utiliza a madeira como matriz, possibilitando a reprodução da imagem gravada sobre papel ou outro suporte adequado. O processo lembra um carimbo.

“Gostei mais da parte de desenhar porque desde criança me interesso por desenhos. Eu já conhecia a xilogravura porque um amigo meu sabe fazer e eu tinha muita vontade de aprender. Estou gostando muito”, disse Karina Mentor, 13 anos, aluna do 7° ano. O projeto Ateliê de Rua foi aprovado em 2009 e contempla três oficinas. A próxima vai acontecer de 25 a 27 deste mês, no pólo da Universidade Aberta do Brasil (UAB).

Patrocinadores – O projeto, que custou R$ 9 mil, é patrocinado pelo governo federal (Ministério da Cultura e Fundação Nacional de Artes), Subsecretaria de Cultura da Paraíba, Instituto Nordeste Cidadania (Inec) e Banco do Nordeste do Brasil (BNB). O dinheiro é utilizado na montagem do ateliê e na compra do material utilizado pelos estudantes.

Parceria – “A ideia do projeto surgiu de uma parceria entre eu e o artista plástico Josafá de Orós, que tem projeção nacional e trabalha com xilogravura há mais de 30 anos. A primeira oficina está superando as minhas expectativas. Pensei em montar uma turma com 15 alunos, mas acabei fechando com 25. Para a próxima oficina, já fechamos a turma”, disse Arnilson Junior, que é de Taperoá, mas mora em Campina Grande.

 

Fotos da Oficina de Xilogravura

 

taperoa.com
Paula Brito

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Top