All for Joomla All for Webmasters

Bioquímico de Taperoá faz campanha contra Chagas em Santo André

O LAC. LABORATÓRIO ANTONIO CRISTOVÃO DE QUEIROZ VILAR do município de Taperoá, fez mais uma das costumeiras campanhas para detectar Doença de Chagas, Nesta sexta feira (27/7/2012), o bioquímico cordelista, Taperoense, Antonio Cristovão de Queiroz Vilar formou uma equipe de profissionais de saúde composta por Dr. Diogo Vilar da Fonseca (farmacêutico), Dra. Rita Vilar de Queiroz (pedagoga) e Elisete Oliveira de Andrade (Técnica em Enfermagem) que foram ao município de Santo André onde tiveram o apoio total de todos os profissionais de saúde daquela simpática cidade, e colheram o sangue de 254 pessoas. Foi um trabalho maravilhoso, pois aproveitou o dia da feira livre da cidade onde estava presente pessoas de todo o município.

O Bioquímico aproveitou a oportunidade e juntamente com toda a equipe de saúde fizeram uma verdadeira festa com palestras educativas abordando vários temas, tais como: Saúde do homem, doenças sexualmente transmissíveis, Doença de Chagas, tabagismo e tuberculose, sendo a apresentação sobre a terceira idade a mais emocionante. Todos os asusntos foram ministrados pelo bioquímico na forma de cordel o qual foi aceito com muito entusiasmo pela comunidade.

Para selar essa festa em saúde, a equipe levou um grande bolo de chocolate com um gostoso recheio de chocolate com amendoim que foi servido com refrigerante à todos.

Em Taperoá, o bioquímico realizou o teste hemoaglutinação para Chagas, e foi detectada a doença em oito pacientes, os indivíduos soros positivos serão encaminhados para o hemocentro em João Pessoa, para o setor de sorologia em que o Dr. Eduardo e a Dra. Adriana darão suas valiosas colaborações nesse trabalho, fazendo os testes confirmatórios.

Estes pacientes soros positivos serão encaminhados para o setor de cardiologia do Hospital Universitário Lauro Wanderley, onde Dr. Evanizio Arruda, tem uma grande participação no tratamento dos pacientes. Vale salientar a contribuição da profa. Dra. Inês Freitas da Univerisdade Federal da Paraíba no custeio e divulgação dos resultados dessa campanha em periódicos, a fim de que a comunidade científica fique ciente que a Doença de Chagas ainda está presente na vida de uma série de pessoas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Top