All for Joomla All for Webmasters

Destaque nacional


Imprensa nacional destaca toque de recolher nas cidades de Taperoá, Livramento e Assunção
Imprensa nacional destaca toque de recolher nas cidades de Taperoá, Livramento e Assunção

O Jornal do Brasil e o Portal Terra destacam nesta sexta-feira (3) o toque de recolher a menores promovidos por juízes paraibanos nas cidades de Taperoá, Livramento e Assunção.

A ação tem o objetivo de diminuir a violência infanto-juvenil nas cidades. Além da Paraíba, mais três estados brasileiros – São Paulo, Bahia e Minas Gerais – também decretaram o toque por meio de portaria.

Leia abaixo a matéria na íntegra.

Juízes determinam toque de recolher a menores em várias cidades

Com o argumento de diminuir a violência infanto-juvenil, juízes da infância e da juventude de alguns municípios de quatro Estados brasileiros – São Paulo, Bahia, Minas Gerais e Paraíba – decretaram, por meio de portaria, o toque de recolher para crianças e adolescentes. Nas cidades paraibanas de Taperoá, Livramento e Assunção, menores de 12 anos não podem circular nas ruas do centro, em bares e restaurantes depois das 21h desacompanhados dos pais ou responsáveis. Em São Paulo, nos municípios de Fernandópolis, Ilha Solteira e Itapura, o toque é ainda mais rigoroso: menores de 18 anos não podem estar nas ruas desacompanhados a partir das 20h. O modelo já foi copiado em Santo Estevão (BA).

O toque de recolher para os menores de 18 anos começou a valer em 15 de junho em Patos de Minas (MG). Mas os adolescentes de 16 a 18 anos podem circular depois do horário estipulado desde que tenham uma carteira de identificação expedida pela Vara da Infância e Juventude da cidade. Para fazê-la, além de pagar uma taxa de R$ 8, os pais do menor devem ir ao juizado autorizar a circulação dos filhos pelas ruas da cidade depois das 23h.

O juiz da Vara da Infância e Juventude de Patos de Minas, Joamar Gomes Vieira Nunes, afirma que a portaria foi editada para preencher o vácuo deixado pelo Estado, pela família e pela sociedade.

"A família não tem mais poder sobre o adolescente", afirma o juiz. "A sociedade acha que os adolescentes são um problema sem solução e o Estado não oferece os aparatos necessários, como educação integral e programas para recuperar os menores do vício das drogas", disse.

Medida ilegal

Para tentar derrubar a portaria, o Ministério Público de Minas Gerais apelou ao Tribunal de Justiça do estado contra a decisão do juiz e protocolou reclamações na Corregedoria Geral de Justiça de Minas Gerais e no Conselho Nacional de Justiça (CNJ), mas nenhum dos órgãos se manifestou até agora. O promotor de Justiça Jaques Souto Ferreira garante que o toque de recolher é inconstitucional e fere o Estado democrático de direito.

"Essa portaria é monstruosa. O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) permite a criação de portarias para regulamentar a presença de menores em eventos, mas não permite restrições genéricas", explica o promotor. "E a Constituição garante o direito de ir e vir do cidadão. Sem contar o constrangimento que os jovens passam por serem recolhidos nas ruas por policiais", disse.

Apesar das contestações, Gomes garante que sua decisão já surtiu efeito. Segundo o magistrado, relatório divulgado pela polícia militar na quarta-feira mostrou que a taxa de crimes infanto-juvenis cometidos entre 23h e 6h foi zerada. E as ocorrências registradas pelo Conselho Tutelar caíram 95%.

O juiz garante também que tem recebido apoio de famílias e comerciantes da cidade porque a decisão "é legítima e busca evitar que os adolescentes fiquem ao alcance do crime organizado que, a cada dia, busca pessoas cada vez mais jovens para suas atividades criminosas", disse.

"No último ano cresceram 38% os atos infracionais cometidos por menores de idade", conta Gomes. "E a gravidade dos atos infracionais também aumentou. São roubos, homicídios, estupro e tráfico. As famílias estão satisfeitas e a medida tem um caráter educativo porque os adolescentes que conseguem a carteirinha não querem trair a confiança dos pais", disse.

Polícias militar e civil, agentes do corpo de bombeiros, conselheiros tutelares e voluntários são os responsáveis pela vigilância das ruas. No caso de descumprimento da regra, pais e comerciantes podem receber multa de três a 20 salários mínimos.

"O toque de recolher é uma medida discriminatória respaldada pela sociedade que vive com medo da doença da violência", afirma Ferreira.

taperoa.com
CP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Top