All for Joomla All for Webmasters

Greve de prefeitos


Greve geral dos prefeitos é defendida durante encontro realizado em Taperoá, no Cariri paraibano
Greve geral dos prefeitos é defendida durante encontro realizado em Taperoá, no Cariri paraibano

Após realização do Encontro de Prefeitos do Cariri, o presidente da União Brasileira de Municípios, Leonardo Santana, defende a deflagração de uma Greve Geral dos Prefeitos, em protesto pelo endividamento dos municípios, as baixas no Fundo de Participação(FPM) e o descaso do governo para com as administrações municipais.

Foram muitas as reclamações dos gestores, em relação aos débitos com o INSS, a falta de recursos e a desvalorização dos entes federados.

Para Leonardo, não adianta mais as "marchas" em Brasília, pois os prefeitos chegam a gastar mais de 3 mil reais e voltam cada vez mais decepcionados, pois na capital federal eles são apenas gestores sem muita importância diante da imponência da União, do luxo e exuberância vivida pelos ocupantes dos altos cargos do governo, em detrimento de milhares de gestores que voltam depois para o convívio de populações que são obrigadas a comer palma e beber água de xique-xique.

Segundo ele, o municipalismo no Brasil está mal conduzido e precisa sair da teoria, pois não há reação maior contra o governo, e sim uma espécie de subserviência a tudo que é feito, pois em momento nenhum os municípios estiveram tão fragilizados e os prefeitos tão desprestigiados, desrespeitados, alguns até são acusados de improbidade, fruto de erro apenas de prestação de contas.

"É preciso que o governo respeite as responsabilidades dos municípios e se conscientize de que precisa dos gestores municipais, sob pena de gerar o perigo de governabilidade, principalmente com os saques que a União tem promovido nos ingredientes que formam os recursos destinados as cidades brasileiras".

"Eu duvido que o governo federal consiga administrar sem os prefeitos, pois a vida começa nos municípios, o Brasil começa nos municípios, onde a vida continua sob todos os aspectos. A educação, a saúde e o bem estar social só acontecem nos municípios".

Leonardo lamentou as perdas no FPM que já acontecerem no repasse deste dia 20, para os a maioria dos municípios que receberam apenas 29 mil reais, e são obrigados a repassar o duodécimo das câmaras municipais, que passa de 40 mil reais, se tornando impossível administrar uma cidade sem nenhum recurso.

"Defendo o que fazem as demais categorias, os prefeitos devem ameaçar uma paralisação conjunta com todas as câmaras municipais, independente das divergências políticas, em prol da salvação dos municípios, devendo todos protestar em frente ao Palácio do Planalto até que se resolva o problema, ou então os prefeitos podem ameaçar orientar os eleitores a não votarem nas próximas eleições, e então o governo vai sentir o valor que têm os 127 milhões de eleitores". Leonardo acrescentou que se alguém tiver outra alternativa poderá propor, entretanto, nada deu certo até agora.

taperoa.com
Ubam

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Top