All for Joomla All for Webmasters

Polícia prende bando em Taperoá

Polícia prende bando acusado de tentar fraudar bingo em Taperoá

Policiais civis e militares prenderam cinco homens e duas mulheres e apreenderam um menor de 17 anos, todos do Estado de Pernambuco, acusados de tentar fraudar o resultado de um bingo no último domingo em Taperoá, no Cariri paraibano. Polícia prende bando acusado de tentar fraudar bingo em Taperoá

Policiais civis e militares prenderam cinco homens e duas mulheres e apreenderam um menor de 17 anos, todos do Estado de Pernambuco, acusados de tentar fraudar o resultado de um bingo no último domingo em Taperoá, no Cariri paraibano. Segundo a polícia, para forjar o resultado, o processo consistia em apagar os números originais das cartelas e através do computador, alterar os dígitos de acordo com os numerais que eram sorteados. O adolescente, considerado um hacker pelos policiais, seria o responsável pela adulteração das cartelas, tendo acesso inclusive, ao sistema informatizado do bingo.

Como cada cartela era cadastrada no sistema de informática, o menor também teria de alterar os números de registros de cada uma no computador para não causar dúvidas aos organizadores, no ato da confirmação dos resultados, quando as cartelas marcadas pela quadrilha ganhassem os prêmios, conforme declarou o soldado da PM, Cláudio Damião, que participou da prisão do bando. A fraude renderia ao grupo a quantia de R$ 18 mil, segundo os valores dos prêmios calculados pela polícia, que consistiam em duas motos Honda Fan, 125 zero-quilômetro, uma moto Honda Biz (zero-quilômetro) e uma TV de 20 polegadas.

Cada cartela estava sendo vendida por 10 reais e cada integrante do grupo comprou uma para participar do sorteio. Seriam justamente as cartelas deles que seriam adulteradas para conquistar os prêmios, mas a quadrilha não chegou a ganhar nada, já que a fraude foi descoberta pelos policiais e o grupo preso no meio da Praça João Suassuna, onde estava acontecendo o bingo no início da noite. A polícia chegou até o grupo através de denúncias anônimas, de pessoas que estavam desconfiadas da ação do bando na cidade. Parte dos integrantes havia chegado na região um dia antes e se hospedado na pousada Mãe Joaninha, em Soledade.

Outra parte dos integrantes havia chegado no domingo. Segundo o delegado que comandou a prisão, Robson Andrew Couras, todos os envolvidos são de Caruaru (PE). O líder da quadrilha, apontado como Cleber Anderson Henrique da Silva, de 35 anos, confessou à polícia que tinha comprado as cartelas com a finalidade de adulterá-las e ainda de copiá-las para a venda, mas essa intenção não deu certo, porque a impressora que o bando tinha levado para falsificar os papéis só imprimia em preto e branco e as cartelas eram impressas com tinta vermelha. Várias cópias de cartelas em preto-e-branco, além das que já estavam com os numerais apagados, foram apreendidas com o grupo.

Equipamentos e celulares são apreendidos

Também foram apreendidos um notebook, cinco aparelhos de celular, uma impressora a laser e outros equipamentos de informática necessários para ajudar na fraude. Os objetos estavam nos dois veículos (um Monza branco, placa KFF-4563-PE e um Gol, placa MUI-9359-PE) que pertenciam ao grupo. No computador, havia, inclusive, o programa usado pelo adolescente para adulterar as cartelas, o que servirá de prova contra o grupo. Os veículos também foram recolhidos pela polícia. O delegado que vai continuar as investigações, Rodrigo Monteiro de Oliveira, desconfia que o bando já estivesse agindo em vários municípios da Paraíba e Pernambuco e vai acionar a polícia do Estado vizinho para ajudar nas investigações. Cleber disse que todos os presos com ele sabiam do esquema, mas o restante do grupo negou saber da fraude e disse ter sido usado pelo rapaz ingenuamente.

A mãe do menor, a empresária Regina Célia Resende, soube da apreensão do filho na madrugada de ontem e viajou para Taperoá para tentar soltar o filho, que segundo ela, é inocente e tinha sido chamado por Cleber, por ter grande conhecimento em informática. “Eu garanto que ele não sabia do esquema”, disse, embora o próprio adolescente tenha confessado como era o processo de fraude à polícia. Além do menor e Cleber, estão na cadeia da cidade, José Gilson Sobral Júnior, 30 anos, Adalberto Gomes da Silva, 36, Willon Dodson Valença Sobral, 33, Maria Amara da Silva, 47, Raimundo Xavier Correia Lima, 57, e Cláudia Henrique da Silva, de 22, que é irmã de Cleber.

O menor está recolhido na delegacia. Todos estão à disposição da Justiça. Maria Amara, que é cabeleireira, disse que assim como ela, parte do grupo foi presa injustamente, porque não sabia das atividades de Cleber. “Apenas fomos convidados para participar de um bingo na cidade de Taperoá e aceitamos”. Os integrantes do bando, segundo a polícia, já foram indiciados por formação de quadrilha (artigo 171) e estelionato (artigo 288). A polícia investiga a participação de dois moradores da cidades de Taperoá e mais dois do Estado de Pernambuco. (RA)

taperoa.com
JP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Top