All for Joomla All for Webmasters

VEREADOR TUMULTUA SESSÃO E IMPEDE VOTAÇÃO DE ORÇAMENTO DE 2012 DA PREFEITURA DE TAPEROÁ

Um fato inusitado aconteceu na sessão da última sexta feira dia 12 de novembro na Câmara dos Vereadores de Taperoá, o presidente da casa Sandro Brito que é da oposição, junto com os demais colegas de bancada fizeram um esforço para que a LOA (Lei Orçamentária Anual) enviada pela Prefeitura Municipal à Câmara ha mais de trinta dias fosse votada e o Vereador Ailton Paulo de Souza (foto) que é da base do governo fez de tudo para que a votação não acontecesse.

De acordo com Sandro, desde o dia em que a LOA foi entregue naquela casa foram enviadas cópias para todos os parlamentares para que pudessem averiguar seu conteúdo e para que as comissões emitissem os respectivos pareceres, porém não tendo os pareceres sido feitos o presidente tentou um acordo para que as comissões se reunissem antes de começar a sessão para deliberarem a respeito da lei, sendo que Dr. Ailton como é mais conhecido, que é 1° Secretário da casa obstaculou os esforços do presidente, obrigando-o a retirar o projeto da pauta, mesmo tendo os demais colegas dito que não pretendiam oferecer nenhuma emenda a lei.

Iniciada a sessão Sandro pediu que Ailton prosseguisse com suas obrigações de secretário, lendo as correspondências existentes para posteriormente passarem a deliberação das matérias, o que Ailtom se recusou a fazer, passando então a tratar de assuntos totalmente diferentes e ignorando a determinação do presidente para que prosseguisse a sessão, por três vezes o Presidente pediu que o primeiro secretário continuasse seu trabalho e diante da negativa do vereador, viu-se obrigado a encerrar a cessão que já começava a ficar tumultuada.
“É muito triste que, mesmo estando os demais vereadores comprometidos em votar o orçamento para que a prefeitura possa trabalhar este senhor se utilize do mandato que o povo lhe deu para fazer este tipo de coisa”, disse Sandro e completou “Na verdade o que ele quer é tumultuar os trabalhos com o intuito de tentar convencer a população de que nossa gestão se parece com a dele, onde durante dois anos a Câmara foi palco de vários escândalos”.

 

TRUCULÊNCIA
O vereador Ailton é o mesmo que na semana passada expulsou da sede da rádio “Comunitária” Taperoá Fm, da qual é presidente, o gerente de comunicação da Prefeitura Municipal de Tapero, e que quando era presidente da Câmara expulsou do plenário o diretor de um site local.

 

COMPARATIVO DE GESTÕES
A gestão de Sandro Brito à frente da Câmara Municipal de Taperoá tem sido marcada pela operância de transparência, desde que assumiu a presidência da Casa Corsino de Farias Souza em janeiro de 2011, o presidente tem promovido significativas transformações, tendo reformado e modernizado totalmente a sede do Legislativo Taperoaense, e inaugurado uma dinâmica de aproximação do legislativo com a população, realizando Sessões Itinerantes e Audiências Públicas a exemplo da que aconteceu no dia 26 de setembro de 2011 com a presença da Reitora da Universidade Estadual da Paraíba, professora Marlene Alves, onde foi discutida a possibilidade de implantação de um campus universitário em Taperoá, além de disponibilizar no site da câmara www.camarataperoa.com.br, todos os pagamentos feitos desde janeiro.

Outro exemplo do perfil da nova gestão da Câmara Municipal foi o encontro dos vereadores do Cariri, que aconteceu dentro da programação do Encontro dos Povos do Cariri no último dia 05 de novembro, que contou com mais de sessenta parlamentares de dezoito municípios, ocasião onde foi fundado o Parlamento do Cariri, uma associação de Vereadores e Câmaras de Vereadores da região, para a qual Sandro foi eleito presidente.

Sandro atribui as atitudes do Ailton ao fato de ele e o colega Humberto Cardoso terem denunciado Ailton ao Tribunal de Contas do Estado da Paraíba por atos praticados durante sua gestão à frente do legislativo taperoaense o que motivou uma auditoria que culminou com a determinação de que o ex-presidente devolvesse mais de R$ 80.000,00 (oitenta mil reais) aos cofres públicos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Top